1001 álbuns para ouvir antes de morrer
'1001 Albums You Must Hear Before You Die’
22 de Abril de 2010

here are the sonics (1965)

‘Here Are The Sonics’ foi o primeiro álbum da banda americana de garage rock, uma forma crua do rock and roll que foi popular nos Estados Unidos e Canadá. Durante a década de 1960, não foi reconhecido como um estilo de música e não tinha nenhum nome específico. No final dos anos 1970, alguns críticos de rock identificaram o estilo como o início do punk rock, e é às vezes chamado de garage punk, proto, 1960 ou punk, porém, o estilo de música foi predominantemente denominado rock de garagem. Este movimento é considerado o fundador da música de Seattle que sobrevive até hoje. ‘The Sonic’ foi fundado em Tacoma, Washington, proveniente do início da década de 60. As suas canções são uma mistura de clássicos do rock de garagem no início do rock and roll e composições originais, todas baseadas em seqüências de acordes simples. As letras tratam da cultura dos adolescentes dos anos 60: carros, guitarras, surf, e garotas como em "Boss Hoss" e o lado obscuro, tais como beber estricnina, bruxas, psicopatas e satanás nas canções "Strychnine", "The Witch", "Psycho". Os membros originais do Sonics foram Gerry Roslie (vocal, piano, órgão), Andy Parypa (guitarra), Larry Parypa (baixo), Bob Bennet (bateria) e Rob Lind (sax). O vocalista Gerry Roslie foi nada menos do que o Little Richard branco, cuja alma angustiada foi surpreendente mesmo para o público teen da época que gostava da sua música poderosa e com pouco respeito às sutilezas. Com o hit após hit nas paradas e influenciando todas as bandas locais a banda inexplicavelmente nunca foi capaz de romper as fronteiras dos EUA. Hoje continuam a ser reverenciados por colecionadores pela sua marca única de rock & roll.


01. The Witch
02. Do You Love Me
03. Roll Over Beethoven
04. Boss Hoss
05. Dirty Robber
06. Have Love Will Travel
07. Psycho
08. Money (That’s What I Want)
09. Walkin’ the Dog
10. Night Time is the Right Time
11. Strychnine
12. Good Golly Miss Molly
13. Keep A Knockin’
14. Don’t Believe in Christmas
15. Santa Claus
16. The Village Idiot


download:
Here Are the Sonics (1965)


the sonics - have love will travel






publicado por mara* às 06:48 link do post
Esse não desce. Faz mal para meus ouvidos, não sei o que faz no livro!
Os críticos têm dificuldade para rotular o tipo de som deles? Para mim é fácil: música ruim.

Bj!
Rodrigo Nogueira a 22 de Abril de 2010 às 10:46
Discooooooooooooordo! Sonics é uma banda injustiçada que teve uma importância e influência gigantesca, que até hoje é referência para muitos grupos modernos. E os críticos apenas não conseguiram decidir se eles foram precursores do punk ou do grunge. Foram eles que inspiraram o surgimento de diversas bandas mais agressivas, como MC5 e The Stooges e influenciaram Iggy Pop, Dead Boys, The Fall, New York Dolls, Nirvana e outros.

Beijão
mara* a 22 de Abril de 2010 às 14:02
Certo Mara. Importância histórica confirmada! Tá justificada a presença deles no livro.

Ainda assim não me agrada. Das bandas influenciadas que você citou: MC5, The Stooges e New York Dolls - estes sim influenciaram o punk - mas também não me agradam (apesar de reconhcer sua importância histórica).

O Iggy Pop bom pra mim é aquele influenciado pelo David Bowie e pelo krautrock e com o Nirvana, acho discutível se são mesmo influenciados pelos Sonics.

... E viva o debate!

Bjão Mara!
Rodrigo Nogueira a 23 de Abril de 2010 às 06:23
mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
1001 albums you must hear before you die


É um livro de referência musical editado por Robert Dimery, co-fundador da Revista Rolling Stone e que escreve para a Time Out e Vogue. Originalmente publicado em 2005, o livro é constituído por uma lista de 1001 discos lançados entre 1955 e 2008, escolhidos por críticos, divididos por décadas e organizados em ordem cronológica. O livro foi revisto em 2007, 2008 e 2009, para incluir álbuns recentes. Todos são analisados conforme a importância na época, impacto sobre o público e vendagem. Os brasileiros indicados são analisados por Andrew Gilbert, especialista em música brasileira. Os 1001 discos não são unanimidade e o ‘porque’ de uns estarem no livro e outros não, são perguntas inevitáveis, há muita porcaria e muitos esquecidos.